quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Taxas Euribor não «mexem»

juros da casa 

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três, seis, nove e a 12 meses em relação a sexta-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, manteve-se hoje pela quinta sessão consecutiva em -0,318%, contra o actual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de Abril de 2017.

A taxa Euribor a seis meses, que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de Novembro de 2015, manteve-se hoje, ao ser fixada em -0,267%, e contra o actual mínimo de sempre, de -0,279%, registado pela primeira vez em 31 de Janeiro de 2018.

A nove meses, a Euribor continuou hoje em -0,208%, contra o actual mínimo de sempre de -0,224%, registado pela primeira vez em 27 de Outubro de 2017.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 5 de Fevereiro de 2015, manteve-se hoje, ao fixar-se em -0,158%, e contra o actual mínimo de sempre de -0,194%, atingido pela primeira vez em 18 de Dezembro de 2017.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Fonte: Diário Imobiliário

Regras do Banco de Portugal não travam crédito da casa. Em agosto foram mais de 800 milhões

imobiliario 
Em  agosto, os bancos deram 810 milhões de euros em novos créditos para comprar casa. Foram mais cerca de 100 milhões face ao mesmo período de 2017, mostram dados do Banco de Portugal divulgados nesta terça-feira. Trata-se de um sinal de que o travão do BdP não estará a ter efeito pelo menos para já.

Estatísticas da instituição liderada por Carlos Costa mostram que, em agosto, os bancos disponibilizaram 810 milhões de euros em novos empréstimos para a compra de casa.

Este montante representa uma diminuição de 109 milhões quando comparado com os 919 milhões de euros registados em julho, mas numa base comparável representa uma aceleração. São mais 101 milhões de euros quando comparado com o mês de agosto do ano passado, período em que foram concedidos 709 milhões de euros. Em termos homólogos representa um novo máximo desde 2010.

Este aumento acontece no segundo mês em que estão em vigor as recomendações do Banco de Portugal aos bancos no sentido de estes colocarem alguns travões na hora de dar crédito às famílias para prevenir situações de sobreendividamento das famílias. Trata-se de um sinal de que a iniciativa do regulador da banca poderá não estar ainda a ter efeito.

Aliás, as mais recentes novidades que têm surgido no setor apontam para a manutenção da “guerra” do crédito. Ainda na semana passada, o Banco CTT anunciou a revisão em baixa do spread mínimo a aplicar na concessão de empréstimos para a compra de casa — para 1,1% — bem como estendeu dos anteriores 85% para 90% do valor do imóvel, o montante máximo que se dispõe a financiar (dentro dos limites do Banco de Portugal).

Poucos dias antes, também o Bankinter tinha revisto em baixa — para 1% — a margem mínima que se dispõe a cobrar aos clientes do crédito à habitação.

Crédito ao consumo também acelera

Também no crédito ao consumo, alvo também das recomendações da instituição liderada por Carlos Costa — assistiu-se a um novo aumento da disponibilização de financiamento tanto face ao mês anterior como ao mesmo período de 2017. Em agosto, os bancos concederam 404 milhões de euros em crédito ao consumo. Ou seja, mais 17 milhões face aos 387 milhões de euros registados em julho, bem como 55 milhões acima dos 349 milhões verificados em agosto do ano passado. Trata-se também de um máximo de pelo menos desde 2003, período em que começa o histórico do Banco de Portugal.

Ainda recentemente, o secretário de Estado adjunto e das Finanças, Mourinho Félix, revelou preocupação com o rumo do crédito e em particular para consumo. “É fundamental uma vigilância na evolução de crédito à economia. O crédito a particulares, em especial o crédito ao consumo, deve ser ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente como aconteceu no passado”, sinalizou Mourinho Félix.

A categoria de empréstimos às famílias com outros fins, é a única a sinalizar um movimento contrário. Em agosto, foram concedidos 136 milhões de euros com esse fim: menos sete milhões do que em julho e menos nove milhões que no mesmo mês de 2017.

De forma agregada, em agosto os bancos deram 1.350 milhões de euros em crédito às famílias. Trata-se de uma quebra de 99 milhões face a julho, mas comparativamente com agosto do ano passado são mais 145 milhões de euros, bem como um novo máximo desde o mesmo período de 2010.

No acumulado dos primeiros oito meses do ano, os bancos concederam já perto de 11 mil milhões de euros (10.821 milhões) em empréstimos às famílias. Ou seja, mais 18% do que no mesmo período do ano passado.

Fonte: Eco.pt

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Obra nova, a próxima onda do imobiliário em Portugal

Resultado de imagem para construção nova 

A falta de imóveis para vender (do lado de quem opera no negócio) ou para comprar(por parte de quem pretende investir) é, atualmente, a tónica destacada pelo setor imobiliário - em público e à porta fechada -  como referem várias fontes do setor ao idealista/news. Apontada por muitos como a solução para travar a escalada de preços que se vive em Portugal nos últimos anos, o reforço da oferta através de obra nova é vista ao mesmo tempo como uma oportunidade, que cada vez mais empresas estão a dar sinais de estar a aproveitar. (Quase) diariamente chegam ao mercado informações de novos projetos de promoção imobiliária - mas faltam mais, sobretudo para a classe média e os jovens.
Ao longo do primeiro semestre de 2018, o volume de transações de habitação chegou ao valor mais elevado da última década, quando comparado com igual período dos anos anteriores e é previsto que as vendas totais dos 12 meses atinjam o record dos últimos 10 anos. Até junho foram efetuadas mais de 86,3 mil transações de imóveis residenciais, com um valor global de 11,6 mil milhões de euros, traduzindo crescimentos de 20% em número e de 30% em valor, face ao período homólogo de 2017.
"A consequência mais direta deste aumento da procura tem sido o escalar dos preços da habitação, uma situação muito penalizadora para uma parte significativa da população portuguesa. Para fazer face a tal situação, urge acelerar a construção nova de habitação e a reabilitação nas zonas periféricas das cidades", considera a FEPICOP -Federação Portugeusa da Indústria da Construção e Obras Públicas.
Evolução da obra nova em Portugal (Valores percentuais)1996 - 2017
Obras Concluídas - Edifícios Novos para habitação (%)Obras Concluídas - Fogos Novos para habitação (%)Licenças emitidas - Construções Novas para habitação (%)Licenças emitidas - Fogos novos para habitação (%)19951996199719981999200020012002200320042005200620072008200920102011201220132014201520162017-50%-25%0%25%50%2013 Licenças emitidas - Construções Novas para habitação (%): -31,3
E, segundo o organismo que representa as duas associações do setor da construção , "nota-se já algum ajustamento no mercado, que, após anos em mínimos de atividade, começa já a registar aumentos significativos no número de licenças emitidas" para construção de novos fogos (+38% até julho) e, paralelamente, no número de fogos novos concluídos (+38% no 1º trimestre do ano), "valores ainda assim insuficientes para um nível de procura que se continua a antever elevada".

Faltam 70 mil casas em Portugal para a classe média e jovens

Dados recolhidos pelo Gabinete de Estudos da APEMIP - Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal mostram, entretanto, que no primeiro semestre de 2018 foram licenciados 7.510 edifícios para construção nova em Portugal, dos quais 5.591 serão dirigidos para habitação familiar, o que corresponde a 9.836 fogos que estarão disponíveis no mercado. “Um número que fica assim muito aquém das necessidades habitacionais”, afirma o representante das imobiliárias Luís Lima, alertando que a construção que está a ser feita não é dirigida ao perfil médio dos portugueses, sendo por isso necessário aumentar também o stock para famílias de classe média e jovens.
“Estamos num ciclo vicioso. Há pouca oferta e muita procura, que faz com que o valor das casas suba e deixe de estar ao alcance das famílias. Para atenuar os problemas habitacionais, seria necessário introduzir no mercado cerca de 70 mil casas novas. Destas, mais de metade deveriam aparecer em Lisboa e Porto, onde se concentra mais de 50% da procura”, analisa o presidente da APEMIP, destacando o problema que existe devido ao tempo entre um licenciamento e a colocação no mercado de um imóvel.

IVA a 6% para construção nova - similar à reabilitação urbana

Esta mesma visão tem o vice-presidente da APPII - Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários. "A construção nova fora dos centros urbanos, principalmente no segmento residencial, mas também no de escritórios, é uma verdadeira necessidade do mercado imobiliário da atualidade, sendo portanto uma nova janela de oportunidade, que os promotores imobiliários devem estar atentos", declara Hugo Santos Ferreira.
Para ajudar a fomentar este fenómeno, o porta-voz dos principais investidores do setor imobiliário em Portugal reclama incentivos similares aos que foram dados à reabilitação urbana. "É muito importante começar a incentivar – com factores de descriminação positiva – a construção nova, a par do que se fez com a reabilitação urbana, sendo crucial estimular a construção localizada fora dos centros urbanos (ou pelo menos fora das designadas zonas prime) e em especial aquela que se destina à classe média e aos jovens". Reclama, por exemplo, a redução do IVA para 6% na construção nova, à semelhança da reabilitação urbana.

Oportunidades de negócio

A ideia de Santos Ferreira é que seja feito um cruzamento na oferta para os vários segmentos de mercado, sem afetar nenhum, e consequentemente apostar no dinamismo que vive o setor imobiliário atualmente em Portugal. Ou seja: "há que viabilizar um mercado em equilíbrio! Que seja atrativo para os estrangeiros (que são e devem continuar a ser muito bem-vindos, ou não estivesse o atual crescimento da nossa economia muito alicerçado na captação de investimento estrangeiro, sendo o setor imobiliário um dos seus maiores catalisadores), mas também acessível aos portugueses".
Do lado de quem conhece bem o mercado nacional e internacional, a opinião é a mesma. “Com o problema da escassez de oferta de habitações a preços acessíveis aos portugueses e o aumento dos preços do imobiliário nacional, acreditamos que será com mais oferta que se irá satisfazer a procura e equilibrar os preços. Após o sucesso da reabilitação dos edifícios, que está a deixar as nossas cidades mais bonitas, é necessário construir mais habitação nas zonas onde a procura é muito elevada e a oferta insuficiente. Chegou a hora da construção nova regressar a Portugal. Agora é o momento”, analisa César Oteiza, cofundador e diretor do idealista Portugal.

Crédito à habitação: há bancos que já pagam para que mudes o empréstimo da casa

Depois de baixar os spreads, agora a banca está a sacar de outras 'armas' paratentar roubar clientes à concorrência no negócio do crédito à habitação. E comparticipar as despesas associadas à transferência do empréstimo da casa é uma das estratégias que os bancos estão a recuperar. Para os clientes interessados em transferir o crédito, pode significar poupanças a partir de centenas de euros. Mas é preciso ter cuidado e fazer as contas antes de aceitar mudar.
Inspiradas na época pré-crise, atualmente no mercado há já várias campanhas - como  por exemplo do BCP, Bankinter e Banco CTT - em que s instituições financeiras isentam determinados custos de processo ou se comprometem a assegurar as despesas que os clientes enfrentam quando decidem transferir os empréstimos da casa de um banco para outro, em busca de spreads mais vantajosos, segundo conta o ECO.
“Na verdade não é nada de novo, se compararmos com o que já aconteceu no passado”, explica citado pelo diário Filipe Garcia, economista da IMF, salientando que “é a evolução natural da concorrência neste mercado e que mostra que os bancos estão interessados em ter crédito hipotecário“.

Poupanças de centenas de euros

No bolso dos clientes essa estratégia pode valer poupanças na ordem das centenas de euros. As regras determinam a cobrança de uma comissão de transferência do crédito de até 0,5% do valor do capital a transferir, no caso do crédito de taxa variável, e de até 2% no caso dos empréstimos de taxa fixa.
Assumindo o exemplo de um crédito em que ainda falta abater 50 mil euros de capital, o custo da mudança poderá de acordo com o jornal chegar até aos 250 euros no caso da taxa variável. Na taxa fixa, assumindo o mesmo capital, o encargo pode atingir os mil euros.

Quando compensa transferir o empréstimo da casa?

Reduzir encargos é a “desculpa perfeita” para transferir um crédito de banco num contexto de descida de spreads. Mas tal pode nem sempre ser verdade.
“As pessoas devem fazer as suas contas com cuidado e perceber se realmente ficam a ganhar”, aconselha Filipe Garcia. “Têm de olhar para os indexantes, spread, condições contratuais a que se obrigam, seguros, etc”, aponta o economista, alertando que há uma outra dimensão que deve ser analisada. Nomeadamente, se a oferta global dos produtos e serviços do banco é “satisfatória”.
A mudança de banco é, tal como indica o ECO, uma opção que deve ser ponderada caso a caso, mas para Filipe Garcia é mais acertada para famílias que contraíram empréstimos há mais de 18 meses, que devem verificar se podem melhorar as suas condições, nomeadamente de spread. Antes de mudar, contudo, faz sentido apresentar o caso ao banco atual, recomenda.

As ofertas dos bancos

  • BCP paga 0,5% a partir de 50 mil euros
O banco liderado por Miguel Maya comparticipa as despesas associadas à liquidação antecipada correspondente a 0,5% do capital do crédito à habitação transferido, em empréstimos cujo montante da operação seja superior a 50 mil euros e o prazo superior a dez anos. E isenta as comissões de dossier, avaliação e formalização, bem como as despesas do contrato de mútuo com hipoteca do crédito à habitação transferido, quando celebrado por Documento Particular Autenticado.
  • Bankinter suporta entre 0,5 e 1,25% das despesas
A solução do banco espanhol em Portugal prevê o suporte dos custos de transferência, entre 0,5% e 1,25%, sobre o valor do crédito transferido, sendo que o valor será reembolsado na conta à ordem do cliente, após a formalização do crédito. Há ainda a possibilidade de o cliente beneficiar da isenção das comissões iniciais do crédito.
  • Banco CTT assume 0,5%
O banco dos Correios assume sempre 0,5% do montante do crédito transferido, em financiamentos acima de 50 mil euros. Compromete-se ainda a reembolsar as comissões de abertura de processo e formalização, após contratação do crédito. Em créditos com capital acima de 100 mil euros, o banco assume ainda as despesas de avaliação do imóvel e paga os custos notariais com a formalização do crédito (escritura).

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

APEMIP quer incentivos “com urgência” para arrendamento urbano

arrendamento

Os problemas habitacionais que o país enfrenta, especialmente ao nível do arrendamento urbano, só se irão resolver com incentivos aos proprietários, que deverão ser disponibilizados “com urgência”, defendeu esta sexta-feira a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) em comunicado.

“Todos sabemos que existem problemas habitacionais que têm que ser sanados e tal só acontecerá quando houver um mercado de arrendamento que dê resposta às necessidades dos cidadãos”, disse Luís Lima, presidente da APEMIP, apontando a falta de oferta e os preços praticados neste momento como as duas questões centrais para a ausência de dinamização do mercado.

Para a APEMIP, a solução para os problemas habitacionais está do lado da oferta. Uma das medidas apontadas como urgentes por Lima é a atribuição de benefícios fiscais aos senhorios que arrendem as suas casas a preços acessíveis.

“Pensar que o mercado resolverá o problema por si só é errado e ingénuo. Uma casa representa um negócio para o seu proprietário, que, para apostar neste negócio, precisa de sentir que tem condições para tal. Não haja dúvida que, neste momento, a abusiva fiscalidade que se pratica no setor é um entrave. É preciso avançar com medidas como a redução da taxa de IRS sobre os arrendamentos acessíveis para contratos com mais de cinco anos ou a introdução de um seguro de renda popular, que são medidas propostas pelos agentes do mercado”, defendeu Luís Lima.

O presidente da APEMIP criticou os sucessivos Governos por terem “ignorado” a dinamização do arrendamento urbano, dizendo que são “legislaturas atrás de legislaturas sem que sejam tomadas medidas efetivas” para a sua dinamização.

Luís Lima considera que o problema não ficará resolvido enquanto não se deixar de olhar para os proprietários como “ricos”. “Os proprietários precisam de inquilinos, mas os inquilinos também precisam de proprietários, pois sem casas no mercado, ou têm condições para comprar, ou não terão para onde ir”, acrescenta.

Tendo em contas as preocupações às alterações à lei que regula o arrendamento urbano, Luís Lima apelou ao “bom senso dos partidos, nomeadamente os que estão mais à esquerda e reticentes sobre a introdução de benefícios fiscais”.

As propostas de lei na área da fiscalidade do arrendamento urbano, que contam com dois diplomas do Governo — um projeto do CDS-PP e três do PSD — integram o pacote legislativo sobre habitação, em discussão no grupo de trabalho da habitação, que faz parte da comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação.

Fonte: Eco.pt

IMI superior a 100 euros poderá ser pago em três prestações

IMI

A partir do próximo ano, os contribuintes que pagam mais de 100 euros do imposto municipal sobre imóveis (IMI) vão poder fazer esse pagamento em três parcelas, segundo a edição desta sexta-feira, 28 de setembro, do “Jornal de Notícias”.

O Governo quer reduzir de 250 euros para os 100 o valor que tem de ser liquidado de uma só vez, permitindo desta forma que as famílias diluam o peso do imposto ao longo do ano. Atualmente, os proprietários que recebem uma nota de liquidação do IMI até 250 euros são obrigados a pagar de uma só vez.

Somente as famílias cuja obrigação fiscal seja superior a 250 euros podem recorrer ao pagamento fraccionado. Contudo, se a liquidação não vai além dos 500 euros, é feito em duas prestações, caso seja acima dos deste valor serão três prestações.

A primeira prestação e única para quem paga menos de 100 euros passará a ser cobrada em maio, em vez de abril. Esta mudança no calendário de pagamento deve-se à “crescente complexidade do sistema liquidador”, e também porque a Autoridade Tributária e Aduaneira precisa de mais tempo para montar o processo de cobrança.

Fonte: Jornal Económico

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Carlos Costa alerta para euforia no imobiliário. Bancos afastam risco de bolha

banco de portugal

O Banco de Portugal já deu sinais de que teme excessos nos mercados de crédito e no imobiliário e Carlos Costa avisou ontem que convém que os agentes económicos tenham capacidade de os interpretar. O governador do Banco de Portugal advertiu esta terça-feira para os riscos de situações de euforia no mercado. Mas, poucas horas depois da intervenção do supervisor, os responsáveis de alguns dos maiores bancos portugueses afastaram o cenário de bolha.

No início de junho, o Banco de Portugal tinha já avisado que existiam “sinais de sobrevalorização” nos preços do imobiliário residencial. O ritmo de concessão de crédito levou também o supervisor a recomendar aos bancos que cumprissem alguns limites de forma a evitar potenciais excessos. O banco central quer limitar o montante do financiamento a 90% do valor do imóvel e impedir que as prestações dos empréstimos venham a pesar mais de 50% do rendimento das famílias. Pretende ainda limitar os prazos dos contratos de crédito.

Mas Carlos Costa voltou a dar sinais de que há risco de excessos. “Os agentes económicos não têm em conta e, portanto, não contemplam, as externalidades das suas decisões ou ações, em particular o risco sistémico. Esta constatação é particularmente relevante quando se desenvolvem situações de euforia no mercado, nomeadamente no mercado residencial e hipotecário”, disse o governador numa conferência sobre supervisão comportamental bancária realizada esta terça-feira.

Quando anunciou as recomendações para o crédito, o Banco de Portugal referiu que iria fazer uma avaliação periódica à eficácia dessas regras. E não descarta, caso seja necessário, tomar “medidas adicionais”. Do lado do governo e da Comissão Europeia a mensagem é que a evolução do crédito seja vigiada de perto pelo supervisor

Crédito a subir, preços a acelerar
Os preços das casas subiram 30% nos últimos quatro anos, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística, relativos ao segundo trimestre. E o valor do novo crédito à habitação concedido pela banca aumentou mais de quatro vezes nos primeiros sete meses de 2018 do que há quatro anos. O setor disponibilizou 5,7 mil milhões de euros para a compra de casa até julho. Mesmo em relação a 2017 o aumento é de 26%.

Em julho, o mês em que entraram em vigor as novas regras do Banco de Portugal, a banca concedeu 919 milhões de euros para a compra de casa. Foi uma diminuição ligeira face a junho, mas ainda assim foi um dos meses mais ativos dos últimos anos apesar das recomendações do supervisor.

Carlos Costa defendeu a necessidade de “medidas que ataquem os desenvolvimentos sistémicos negativos resultantes da interação das decisões individuais”. E explicou que “estas medidas serão função da literacia e da aptidão financeiras dos agentes económicos e, em particular, da sua capacidade para interpretar os sinais que resultem da intervenção das autoridades prudenciais”. 

O governador avisou que “como regra, uma menor capacidade de interpretação desta intervenção gera um maior risco de bolha de mercado e, por consequência, determina a necessidade de medidas prudenciais mais interventivas do lado da concessão de crédito, ou do lado da aplicação da poupança, para garantir a estabilidade financeira”.

Banqueiros rejeitam bolha 

Os avisos do Banco de Portugal são também partilhados pelo governo. O secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, pediu também esta terça-feira que o supervisor continuasse atento à evolução do crédito. “O elevado nível de crédito malparado é ainda uma marca da crise anterior, por isso é fundamental a vigilância da evolução do crédito da nossa economia”, disse, citado pela Lusa, na conferência a Banca do Futuro, organizada pelo Jornal de Negócios.

Mas do lado dos banqueiros a mensagem é de que os preços das casas não devem descer e de confiança nas políticas de concessão de crédito. O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, explicou na mesma conferência que, contrariamente ao que acontecia há cinco ou dez anos, Lisboa e Porto passaram a fazer parte de um mercado internacional. Defende que isso deverá aguentar os preços do imobiliário nas duas cidades. “Dificilmente vejo que os preços vão descer”, disse, apesar de admitir um “ajustamento marginal”.

Pablo Forero, o presidente do BPI, considera que a situação que observa em Portugal “não tem nada a ver com a bolha imobiliária em Espanha”. Referiu que “há que evitar excessos” mas garantiu que a banca está a fazer esse trabalho.

Já Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos, salientou que as práticas seguidas pelo setor e os modelos de governação são agora distintos do que acontecia no passado. Observou que mesmo com as recomendações do BdP, que diz serem cumpridas pelos bancos, não houve grandes oscilações no crédito. Defendeu que “ o que correu mesmo mal no passado foram as grandes posições dos bancos na construção e obras públicas”. E garante que atualmente isso “não acontece”.

Fonte: Dinheiro Vivo